segunda-feira, 22 de julho de 2019

9 anos, foi no dia 17 de julho

Caros Redistas
Julho é mês de aniversário da Rede. Este ano fazemos 9 anos (!)
Por favor reservem já a data – a ver se nos encontramos todos e temos tempo para conversar.
Vamos celebrar no dia 24 de Julho, que é uma quarta-feira, mesmo ao fim da tarde, no Castelo, junto à Igreja de Santiago, onde já fizemos um pic-nic há uns anos.
A ideia é cada um levar qualquer coisa para comer e beber, incluindo copo e prato e talheres, e um banco ou cadeira para se sentar. E gostávamos de conversar sobre os grupos de trabalho e projectos que estão a funcionar, possíveis desenvolvimentos e cruzamentos entre eles, e sobre outros projectos que alguém queria lançar. E ficarmos a conversar com tempo. O Grupo Coordenador leva o Bolo de Aniversário !

Obrigado a todos
Grupo Coordenador da Rede de Cidadania

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

um desejo para 2019



Para começar bem 2019, gostávamos de refletir com ajuda da mensagem de um consultor/comentador que alguns poderão conhecer, no caso de seguirem a política internacional. Esta pessoa foi um diplomata britânico, era um político em ascensão, especialista nas questões mundiais mais difíceis e demitiu-se do seu cargo em 2003. Carne Ross, é seu nome, escreveu em 2011 “The Leaderless Revolution – How Ordinary People Will Take Power and Change Politics in the 21st Century” ou seja resumidamente como expressa o título em português: “A revolução sem líder” (Bertrand Editora, 2012). Porque falar deste livro nesta altura? Simplesmente, porque Carne Ross oferece para o início do ano, a mensagem, mais encorajadora que alguma vez poderemos ouvir vindo de alguém que esteve “metido até ao pescoço” na política internacional, a saber que existe forma de resgatar a esperança de que um mundo melhor, mais justo e equilibrado está ao nosso alcance.
O que nos diz Carne Ross e o que é que isso tem a ver com a Rede de Cidadania?
Na página 27 do seu livro, podemos ler: “Contudo, nesta crise existencial, eis que é revelado o primeiro ponto de apoio firme na face do penhasco dos problemas intransponíveis. A resposta tanto para a crise pessoal como para a crise coletiva é a mesma. E é simples. Pode ser apresentada por uma única palavra: arbítrio. Ter arbítrio sobre os acontecimentos – a sensação de controlo - é algo drasticamente ausente da condição contemporânea. A sua captura está disponível através de um mecanismo simples: a ação.” Assim chegamos à Rede de Cidadania, onde o que é feito vem da vontade das pessoas envolvidas deixando para trás a sensação de impotência perante os problemas. O individuo revela-se como motor da mudança que ele quer ver no mundo porque “significa que as ações no nosso próprio microcosmo podem ter consequências globais.” (p. 31) Isto é diferente de querer mudar o mundo complexo, tarefa muito difícil e com objetivos quase inatingíveis face à multitudes de problemas de todas as ordens (sociais, ambientais,…).
Agir é assumir os benefícios do debate e da responsabilidade partilhada, oferece uma maior sensação de cooperação, respeito e comunidade com os outros. Permite responder a uma necessidade, muitas vezes esquecida pela atual obsessão de bem-estar material, uma mais profunda sensação e propósitos próprios.
Obviamente, a Rede de Cidadania não se apresenta como salvadora da comunidade, longe disso, sejamos humildes, mas garante aos que se envolvem que localmente e sobre questões com as quais se preocupam, podem ter uma ação, se se-organizarem para tal.
Pelo que para 2019, temos um desejo claro: mais AÇÃO de todos!

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Mercado municipal no espaço provisório

O mercado municipal mudou de instalações para o antigo Matadouro.
A Rede continua presente com os jornais e as trocas (livros, cd, dvd).
Todos os sabados de manhã é um local de encontro e convívio.